Herbicida glifosato pode ser um disruptor endócrino

Herbicida glifosato pode ser um provável  disruptor endócrino ou desregulador endócrino revela estudo.

 

” Os disruptores endócrinos, também conhecidos como desreguladores endócrinos e interferentes endócrinos, consistem em substâncias químicas capazes de interferir no sistema endócrino do organismo, causando efeitos adversos no desenvolvimento, reprodução, sistema neurológico e imunitário dos seres vivos (humanos e animais).

Os disruptores endócrinos atuam no organismo substituindo os hormônios, bloqueando a sua ação natural, ou ainda, elevando ou reduzindo a quantidade original de hormônios, alterando o funcionamento do sistema endócrino. ”

 

Estudo mostra herbicida Glifosato como disruptor endócrino

Um novo estudo realizado por pesquisadores Argentinos mostrou que o herbicida Glifosato interrompe o desenvolvimento do útero de ratas quando são expostas durante sete dias após o seu nascimento.
 

O herbicida glifosato causou a proliferação celular e mudanças estruturais no útero das ratas.  Apesar do fato de não apresentarem  sinais de toxicidade aguda ou cronica ou diferenças no ganho de peso, observadas em crias durante o estudo.

O herbicida  glifosato também interrompeu a expressão de proteínas envolvidas no desenvolvimento uterino.

 

 

 

Os autores concluíram  que a exposição ao herbicida glifosato pode afetar a fertilidade feminina e / ou promover o desenvolvimento de câncer de útero.

Eles também afirmaram  que  este  estudo é o primeiro a mostrar efeitos de desregulação endócrina de um herbicida à base de glifosato no útero de ratos recém-nascidos e pré-púberes, apoiando a possibilidade de que os herbicidas à base de glifosato podem ser um disruptor endócrino.

Abortos em regiões de cultivo de soja transgênica

 

Médicos e cientistas notaram altas taxas de aborto – às vezes chamado de “aborto espontâneo” – em mulheres que vivem em regiões da Argentina, onde a soja transgênica é cultivada e pulverizada com o herbicida glifosato. O novo estudo pode lançar luz sobre este fenômeno.

A dose tóxica encontrada neste novo estudo é atribuída como segura por reguladores dos EUA
A dose do herbicida encontrada para interromper o desenvolvimento uterino nos ratos foi de 2 mg por kg de peso corporal  e por dia, com base na “dose de referência” dos EUA para o glifosato puro que os reguladores consideram segura consumir todos os dias e por toda a vida.

Claramente, este estudo questiona essa suposição de segurança.

Mas há uma complicação interessante – ou seja, a via de exposição escolhida pelos pesquisadores foi injeção sob a pele ao invés de administração oral.

A administração oral é uma das vias de exposição favorecidas pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) para exames toxicológicos realizados em pesticidas para fins regulatórios. Vias de exposição devem refletir as trajetórias de exposição humana, tanto quanto possível. Estudos que usam injeção geralmente são destituídos  pelos reguladores como “não relevante” para a avaliação de risco humano.

No entanto, os autores destacam em seu estudo que, dado o estágio muito inicial de desenvolvimento das crias de ratos testados – eles ainda os alimentaram a partir das mães –  e a injeção era a única via de exposição que garantia a incorporação de toda a substância nos corpos dos ratos . Isso fez com que tivessem um bom senso científico, mas é provável que os reguladores irão tentar ignorar  isto neste estudo.

  Exposição oral não é o mesmo que a injeção

Cientistas que foram consultados concordaram com a justificativa dos autores para o uso de injeção, dado o tempo de administração.

Mas eles comentaram que a distribuição de herbicida de glifosato nos órgãos dos ratos via injeção pode ser bastante diferente em comparação com a via oral – e que os efeitos tóxicos observados, por conseguinte, podem também ser diferentes.

Um dos cientistas aconselhou que, como apenas cerca de 30% do glifosato é absorvido no corpo através da via oral habitual de exposição, os pesquisadores devem ter injetado quantidades menores do que a dose de referência dos EUA para refletir isso. Na verdade, um projeto experimental de dose-resposta, com doses adicionais inferiores, teria sido preferível, embora isso teria um custo mais elevado. Esperamos que este importante estudo possa ser acompanhado  logo abaixo.

Por outro lado, os reguladores deveriam exigir novos estudos no herbicida glifosato em doses realistas –  antes de finalizarem seu parecer e estabelecendo a sua segurança.

Fonte Original – GMWATCH

7 comentários em “Herbicida glifosato pode ser um disruptor endócrino

  • 12 de julho de 2016 em 10:58 PM
    Permalink

    EXCELENTE MATÉRIA.
    A questão é:
    Será mesmo que a Monsanto e suas coligadas não sabiam dessas terríveis reações?
    SE sim:
    Fica provado as verdadeiras ¨intenções do conglomerado¨, ou seja, estão mesmo de ¨mãos dadas¨ e agindo em conjunto com outros segmentos para completar a ¨agenda¨ para implantação definitiva de todos os preceitos, todas as pautas da N.O.M.
    SE não:
    Fica provado que, para ¨eles¨, não passamos de meras cobaias humanas distraídas, portanto inconscientes, consumindo de seus experimentos, venenos dos mais perigosos e mortais que o homem já inventou, visto suas terríveis reações só ocorrem a longo prazo e de forma irreversível e mortal, e o pior, pode atravessar gerações, causar um dano cruel ao ser humano, animais e natureza como um todo, são eugenistas, genocidas profissionais!
    Essa é nossa atual realidade no planeta, não só no que diz respeito aos alimentos e similares, mas em muitos outros aspectos e eventos que vem, de forma repetida e insistente, ocorrendo nos quatro cantos do mundo e a grande massa ainda distraída, cuidando apenas de seu próprio umbigo, são ¨¨¨pessoas na sala de jantar – Essas pessoas na sala de jantar – São as pessoas da sala de jantar – Mas as pessoas na sala de jantar – SÃO OCUPADAS EM NASCER E MORRER¨¨¨¨ !
    PASSOU DA HORA DE DESPERTAR!
    GRATIDÃO
    ED

    Resposta
  • Pingback: Glifosato provoca alterações no DNA - Nosso Foco

  • Pingback: Apicultores conseguem proibir Monsanto no México - Nosso Foco

  • Pingback: Glifosato provoca alterações no DNA – FUNVERDE

  • Pingback: Precisamos realmente do glifosato para termos alimentos " seguros e acessíveis"? - Nosso Foco

  • Pingback: Apicultores conseguem proibir Monsanto no México - Nosso Foco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *