Venenoso Cartel de OGM na Índia

A Índia é rica em sintetizar controvérsias criadas pela Monsanto na primeira safra de OGM, supostamente aprovada para comercialização.

Por Vandana Shiva 

Dr. Vandana Shiva - Diretora Executiva da Navdanya Trust
Dr. Vandana Shiva – Diretora Executiva da Navdanya Trust

 

 

Engajada em litígio em muitas frentes, a Monsanto  tentou subverter nossas leis de patentes:

Protection of Plant Variety and Farmers Right Act, Essential Commodities Act e Competition Act.

Ela está se comportando como se não houvesse nenhum Parlamento, nenhuma democracia, nenhuma lei soberana na Índia a que se encontra sujeito. Ou ela, simplesmente, não demonstra  qualquer respeito por eles.

 

 

Em outro teatro, Monsanto e Bayer estão se fundindo. Eles serão como um MoBay (MonsantoBayer), parte do cartel veneno da I.G. Farben. As participações de controle de ambas as empresas se encontram com as mesmas empresas de private equity. A experiência dessas empresas está na guerra.

 

 

IG Farben
IG Farben

 ” A IG Farben foi um conglomerado de empresas formado em 1925  durante a Primeira Guerra Mundial  : AGFA , Casella, BASF, Bayer, Hoechs e várias outras, menores.

Devido à gravidade dos crimes cometidos pela IG Farben durante a Segunda Guerra Mundial, a empresa foi considerada demasiado corrupta para continuar a existindo. Os aliados ocidentais no entanto, em 1951, dividiram a empresa em sua versão original até as empresas constituintes. Atualmente só a Agfa, a BASF, Hoechst (Conglomerado Sanofi-Aventis) e a Bayer continuam existindo ” 

 

I.G. Farben, potência econômica e pré-guerra da Alemanha maior fonte de divisas de Adolf Hitler, foi também uma operação de inteligência estrangeira. Hermann Schmitz foi presidente da I.G., o sobrinho de Schmitz , Max Ilgner foi diretor da I.G. Farben, enquanto o irmão de Max Rudolph Ilgner correu para o  braço de Nova York como vice-presidente da Chemnyco.

Paul Warburg, irmão de Max Warburg (conselho de administração, Farben Aufsichtsrat), fundou o Sistema da Reserva Federal dos EUA. Max Warburg e Hermann Schmitz desempenharam um papel central para o império Farben.

Outras “mãos orientadoras” da Farben Vorstand , incluiram Carl Bosch, Fritz ter Meer, Kurt Oppenheim e George von Schnitzler.

 

 

Cada um deles foi julgado  como “criminoso de guerra” após a Segunda Guerra Mundial, exceto Paul Warburg.

 

Monsanto e Bayer têm uma longa história. Eles fizeram explosivos e gases venenosos letalmente utilizando tecnologias compartilhadas e vendeu-os a ambos os lados nas duas guerras mundiais.

 

Os mesmos produtos químicos de guerra foram comprados pelos poderes Aliados e do Eixo, dos mesmos fabricantes, com dinheiro emprestado do mesmo banco.

Efeitos ” devastadores” no corpo humano do Agente Laranja

” O Agente laranja é uma mistura de dois herbicidas: o 2,4-D e o 2,4,5-T. Foi usado como desfolhante pelo exército dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã.”

 

agentes-02

MoBay [ Monsanto & Bayer ] forneciam ingredientes para o Agente Laranja na Guerra do Vietnã. Cerca de 20 milhões de galões de desfolhantes e herbicidas mobay foram pulverizados sobre o Vietnã do Sul.

As crianças ainda estão nascendo com defeitos congênitos, os adultos têm doenças e câncer crônico, devido à sua exposição a produtos químicos da Mobay.

A resistência ao Agente Laranja, arma licenciada da Monsanto e da Bayer , acabou desenvolvendo uma espécie de cruzada ao longo de décadas.

 

Guerras foram travadas, vidas perdidas, nações e terras devastadas  – deixando –as com fronteiras artificiais que se equiparam a colonização, enquanto Bayer e Monsanto vendiam produtos químicos, como bombas e venenos a seus irmãos , ao mesmo tempo que davam empréstimos aos outros para comprarem essas mesmas bombas.

 

Recentemente, a Bayer CropScience AG e a Monsanto entraram em uma relação comercial de longo prazo.

Isto dá a Monsanto e a Bayer acesso gratuito ao herbicida um do outro e, paralelamente, a tecnologia de resistência ao herbicida.

 

Através do licenciamento cruzado de acordos, fusões e aquisições, a indústria da biotecnologia tornou-se o I.G. Farben de hoje, com a Monsanto na cabine de comando.

 

A Global Química e GMO,   Bayer, Dow Agro, DuPont Pioneer, Mahyco, Monsanto e Syngenta  –  se uniram para formar um Cartel : a Federação da Indústria das Sementes da índia (FSII) tornando-se os maiores vilões neste assalto a agricultores da Índia, meio ambiente e as leis que protegem o público e o interesse nacional democraticamente-moldado.

 

Isto é, além da Associação de Biotecnologia-Led Enterprises (ABLE), que tentou desafiar o fim para o controle de preços de sementes na Índia , emitindo Commodities Essenciais e virando ação  no Tribunal Superior  de Karnataka. O caso foi arquivado.

 

O novo grupo não se trata de  “indústrias de sementes;” eles não produzem sementes.

Eles tentam esticar as patentes de produtos químicos para reclamar a propriedade sobre as sementes, mesmo em países onde as patentes sobre sementes e plantas não são permitidos.

 

Este é o caso da Índia,

Argentina,

Brasil,

México

e muitos outros países.

Todos os casos da Monsanto na Índia estão relacionados com a Monsanto científica, de forma ilegal e ilegitimamente reivindicando patentes de sementes, em desprezo as leis da Índia, tentando recolher royalties da indústria de sementes indiana e de seus agricultores.

 

O FSII (Federação da Indústria de Sementes da índia ) é uma espécie de  “I.G. Reunião da família Farben – 100 anos “, uma junção de entidades independentes e autônomas.

 

O cartel químico da família Farben foi responsável pelo extermínio de pessoas nos campos de concentração. Ele representa um século de ecocídio e genocídio, levado a cabo em nome da experimentação científica e inovação.

 

Hoje, o cartel de veneno  usa roupas de Engenharia e canta o mantra de “inovação”  –  nauseam !

Os campos de concentração de Hitler eram uma “inovação” da morte; e quase um século mais tarde, a família Farben está realizando o mesmo extermínio: silenciosa e globalmente e de forma eficiente.

 

A “Inovação” da Monsanto de cobrar direitos ilegais – empurrando os agricultores indianos para o suicídio também é uma inovação em matar sem responsabilidade, indiretamente.

Só porque há uma nova maneira de matar não faz de matar ser algo direito.

 

“Inovação”, como qualquer atividade humana, tem limites-definidos pela ética, a justiça, a democracia, os direitos das pessoas e da natureza.

 

Não há razão para que a

Índia  enfrente Fome ,

Commodities  e Suicídio !

 

O – I.G. Farben –  foi julgado em Nuremberg. Temos leis nacionais para proteger as pessoas, o seu direito à vida e à saúde pública e ao meio ambiente.

Leis de biossegurança e de patentes da Índia e Lei das Variedades Vegetais são projetadas para regular os proprietários gananciosos de corporações com uma história de crimes contra a natureza e a humanidade.

 

A indústria está se preparando para empurrar a sua próxima “experiência genética “, a mostarda OGM ou mostarda transgênica (DMH-11).

 

A mostarda  OGM/Transgênica, sendo promovida para o setor público como  “inovação”, é baseado no sistema / barstar (denominação da patente) .

Gene barstar cria plantas masculinas estéreis e um gene bar para resistência ao glufosinato.

Em 2002, a aplicação da Pro-Agro (Bayer) para a aprovação do plantio comercial de mostarda OGM baseada no mesmo sistema foi recusado.

 

Embora proibido na Índia, a Bayer encontra maneiras de vender glufosinato ilegalmente para jardins de chá de Assam e os pomares de maçã de Himachal Pradesh.

Agentes de vendas mostram a venda de glufosinato sob a rubrica “outros” para evitar a regulamentação.

Estes produtos químicos estão encontrando seu caminho para os corpos de nossos filhos sem a aprovação do governo.

 

Essencialmente, todas as patentes-chave relacionadas com o gene bar são realizadas pela Bayer Crop Science, que adquiriu a Aventis Cropscience, que em si foi criada a partir das divisões de engenharia genética da Schering, Rhone Poulenc e Hoechst.

 

Então Bayer adquiriu Plant Genetic Systems e entrou em acordo de cooperação com Evogene, que tem patentes sobre mapeamento do genoma.

 

Antes de qualquer aprovação ser concedida a mostarda geneticamente modificada, a questão dos limites da patenteabilidade precisa ser resolvida com base em leis e patentes indianas sobre as plantas e sementes e métodos de agricultura que não são permitidos.

 

 

Deepak Pental não comercializará sementes de mostarda transgênicas.

Já seus oficiais da Bayer / Monsanto

MoBay  – irão.

Dada a nossa experiência com o algodão Transgênico, o Ministério do Meio Ambiente e Florestal está considerando a opção de colocar diretrizes para a avaliação sócio-econômica, para julgar as variedades de OGM (Transgênicos) e suas  propostas, com base em fatores como a economia, saúde, meio ambiente, sociedade e cultura.

 

O núcleo de avaliação socioeconômica será a questão dos monopólios e cartéis, e seu impacto sobre os pequenos agricultores.

 

Apesar de as patentes sobre as sementes não serem permitidas, há mais de uma década e meia, a Monsanto tem extraído royalties ilegais de agricultores indianos, aprisionando-os em dívidas e desencadeando uma epidemia de suicídios de agricultores.

 

A guerra da Monsanto está no pé da Índia entre  soldados-agricultores , uma guerra sendo travada pela família Farben, dentro da nossa família , chamada Terra!

Fonte : Vandana Shiva  e  ECOWATCH

 

Adaptações :

 

 

 

 

Um comentário em “Venenoso Cartel de OGM na Índia

  • 14 de junho de 2017 em 12:04 PM
    Permalink

    A Índia é uns dos países emergentes que mais cresce, entretanto há ainda muita fome.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *